Num buraco negro, você pode enxergar sua nuca



Parece uma coisa esquisita, mas num buraco negro podemos enxergar nossas costas. Isso acontece porque várias leis da física funcionam, nos arredores de um buraco negro, de maneira um pouco diferente do que estamos acostumados.

Ao contrário do que o nome sugere, um buraco negro não é um buraco, efetivamente, mas um corpo celeste formado após a morte de uma estrela que tenha pelo menos 3 vezes o tamanho do nosso Sol. Essa estrela dará origem a um corpo muito menor (apenas algumas dezenas de quilômetros de diâmetro), porém com a mesma massa. Para se ter uma ideia, um cubo de lado 1cm composto pela “substância” do buraco negro, pesaria incríveis 100 milhões de toneladas. Isso cria um campo com uma gravidade muito forte ao seu redor. Essa gravidade é tão forte que é capaz de absorver até mesmo a luz e o tempo ou, inclusive, de fazê-los entrar em órbita ao seu redor.

A luz por sua vez, obedece a uma lei que diz que sua velocidade é igual para todos os referenciais. Isso significa que sua velocidade relativa não muda. Imagine o seguinte: você está parado e seu amigo está andado de bicicleta. Ele se afasta de você com uma certa velocidade. Se você começar a correr, ele ainda se afastará de você, porém mais devagar, certo? Pois bem: isso é o que chamamos de velocidade relativa. E essa lei diz que isso não funciona para a luz. Não importa se você está correndo, parado ou movendo-se à velocidade do som. Ela sempre vai se afastar de você com a mesma velocidade.

Agora imagine que você entrou em órbita ao redor de um buraco negro (como a lua orbita a terra). A luz, naquele ponto, também está orbitando. E ela continua se afastando de você sempre à mesma velocidade. Resultado? Ela dá a volta, reflete nas suas costas e retorna até seus olhos, permitindo que você enxergue sua nuca ou qualquer parte de trás do seu corpo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dispersões: soluções, coloides e suspensões

Distribuição eletrônica

A tabela periódica (parte 1)